20/09/2020 às 02:02h
MT: Indeciso sobre apoio ao Senado, Botelho descarta Fávaro: "só representa o agronegócio"

O deputado estadual Eduardo Botelho (DEM), atual presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, disse que não apoia a pré-candidatura de Carlos Fávaro (PSD) ao Senado porque ele é candidato apenas do agronegócio, não está preocupado com a população menos abastada e muito menos com os pequenos produtores do Estado. Fávaro ocupa interinamente a vaga de senador por causa de uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) que o autorizou, na condição de terceiro colocado no pleito de 2018, assumir a cadeira que ficou vaga com a cassação de Selma Arruda (Podemos), por crimes de caixa 2 e abuso de poder econômico.

Botelho foi questionado sobre seu apoio a um dos 11 pré-candidatos oficializados para a eleição suplementar ao Senado a ser realizada no dia 15 de novembro, mas alegou que ainda não definiu nada nesse sentido, pois garante que "ainda está indeciso". O DEM, seu partido, faz parte da coligação de Nilson Leitão (PSDB), mas liberou os filiados para apoiarem quem bem entenderem.

Então, ele foi perguntado se apoiará Carlos Fávaro, favorito do governador Mauro Mendes (DEM), e não hesitou em responder negativamente. "Não vejo nele um representante da Baixada. Não vejo nele um homem que olha pra agricultura familiar. Não vejo ele como um representante realmente do povo. Por isso eu não tenho afinidade de apoiar um candidato que representa só o agronegócio. Tem que representar também o pequeno, o feirante, o trabalhador da área rural, é por isso", justificou o presidente da Assembleia Legislativa. 

TAQUES

Botelho ainda avaliou que a entrada do ex-governador e ex-senador Pedro Taques (SD) na disputa não muda em nada o cenário já colocado. "Não vejo ele com chances reais de ganhar, ele tem um grande percentual, vai ter. Ele foi um dos melhores senadores que Mato Grosso já teve, mas não tem grupo, acho que as chances dele hoje são pequenas", analisou o democrata.

Na disputa ao Senado, o Democratas está dividido. Um grupo liderado pelos irmãos Campos está no grupo do pré-candidato Nilson Leitão (PSDB), que terá o ex-governador e ex-senador Júlio Campos como primeiro suplente. Do outro lado, o governador Mauro Mendes encabeça uma ala do DEM que apoia a candidatura de Fávaro.

Inclusive, houve animosidade e um clima de desgaste entre Mendes, o senador Jayme Campos e seu irmão Júlio. O motivo é que os irmãos Campos decidiram por conta própria que caminhariam com Leitão na disputa, mesmo cientes que o governador apoiaria Fávaro, seu aliado desde as eleições de 2018. Sem consenso no DEM, ficou decidido pela "liberação" de alguns membros para apoiarem os candidatos que quiserem.

Sobre esse desgaste, Eduardo Botelho evita polemizar e adota um tom apaziguador. "O DEM não está estremecido. Desde o começo quando o Júlio Campos era candidato do partido já estava definido que algumas pessoas iriam ficar liberadas pra apoiar outros candidatos. E assim aconteceu agora. Ele está colocado como primeiro suplente, mas o DEM liberou dentro de um combinado. Não existe intriga, não existe nada", colocou Botelho.

Folhamax

 

Espalhe por ai:
Link:
Esportes
ESPORTEFUTEBOL
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2020 - SOLANGE PRISCILA DE SOUZA - CNPJ: 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Solange Priscila DRT MT- 002121