29/07/2020 às 11:06h
Família denuncia troca de corpos de vítimas de covid na Santa Casa
ENTERRO ERRADO
Jessica Bachega/GD

Não bastasse a dor da perda de um ente querido, a família de Erasmo Benedito da Silva, 46, sofre por não poder enterrá-lo. O homem morreu de covid-19, na manhã de terça-feira (28), e o corpo foi trocado pelo de outro paciente que também estava internado no Hospital Estadual Santa Casa de Misericórdia, em Cuiabá.

 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) enviou nota de esclarecimento sobre a situação na tarde desta quarta-feira (29). 

 

 

A nora da vítima, Jucielle Patrícia de Arruda, contou ao  a situação enfrentada pela família, que não pode sequer enterrar o parente, já que velórios estão restritos por conta das medidas de combate à pandemia.


Segundo ela, Erasmo tem a família em Poconé (104 km ao Sul da Capital) e se mudou para Várzea Grande para poder realizar hemodiálise. No entanto, ele ficou doente e foi diagnosticado com covid-19. Os últimos 11 dias passou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa. Além de problema nos rins, o homem também era diabético, o que agravou a covid e ele não resistiu.


“Um pastor e outro parente estava lá quando falaram que ele morreu. O pessoal do hospital mandou que saíssem, que iriam preparar o corpo para que a funerária buscasse. A funerária foi à tarde, mas disseram que só iram entregar o corpo mediante reconhecimento da família. Quando um primo foi lá, havia 10 corpos à espera de enterro, mas nenhum era meu sogro. Depois falaram que outra funerária havia pego um homem parente de outra família”, contou a nora.


Desde então a família de Erasmo está na saga para encontrar o corpo para poder enterrá-lo. No hospital, os parentes foram orientados a buscar decisão judicial para que pudessem exumar o corpo enterrado pela outra família.


Após o primeiro contato com o , a nora informou que na manhã desta quarta-feira (29), familiares foram novamente ao hospital para saber como proceder para identificar onde está Erasmo. Lá descobriram que ele foi enterrado por outra família e que o parente deles, também morto por covid, ainda está no necrotério.


“Eles não querem deixar exumar enquanto não resolverem a situação do familiar deles. Não querem mexer. Enquanto isso a cova está aberta no cemitério de Poconé e a gente espera poder enterrar meu sofro”, explicou Jucielle Patrícia.


Situação semelhante ocorreu em Cáceres (223 km a Noroeste), quando dois corpos foram trocados no Hospital São Luiz, em maio. O cadáver precisou ser exumado.


Outro lado

 

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), por meio da diretoria do Hospital Estadual Santa Casa, esclarece que é atribuição da unidade hospitalar identificar, preparar e entregar o corpo à funerária. Como de praxe, o hospital seguiu esse fluxo com todos os corpos do dia 28 de julho de 2020 e os encaminhou à empresa funerária.

 

Portanto, a gestão informa que a situação foge da responsabilidade administrativa do hospital. Visto que, após o corpo estar sob a responsabilidade da funerária, o manuseio e a entrega à família é uma atribuição da mesma.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2020 - SOLANGE PRISCILA DE SOUZA - CNPJ: 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Solange Priscila DRT MT- 002121