18/03/2020 às 12:40h
AL propõe reduzir ICMS e dar renda para substituir merenda


Pablo Rodrigo

[email protected]

Reprodução

Reprodução

As lideranças partidárias apresentaram 3 projetos de Lei para auxiliar o combate à pandemia do coronavírus em Mato Grosso.

 

De acordo com o presidente da Asssembleia, Eduardo Botelho (DEM), os projetos visam a redução de alíquotas do ICMS (Imposto sobre Circulação de Serviços e Mercadorias) em algumas operações, medidas extraordinárias que garantam à oferta de produtos e insumos, e a garantia dos direitos ao Bolsa Família e Pró-família aos estudantes da rede pública que terão suas aulas suspensas no Estado.

 

Em relação a redução de ICMS, o projeto estabelece uma alíquota de 7% do ICMS para as operações internas  sobre produtos que visam auxiliar o combate ao coronavírus, como álcool em gel, álcool 70%, luvas e máscaras médicas e hipoclorito de sódio 5%, além dos insumos para a fabricação de álcool em gel, exceto para a energia elétrica.  

 

"O Poder Executivo fica autorizado a reduzir a alíquota do ICMS ou conceder a isenção do imposto nas operações referidas, na hipótese de aprovação de convênio pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz)", diz trecho do projeto apresentada e aprovada na manhã desta quarta-feira (18).

 

Já em relação a garantia à oferta de produtos que combatam o coronavírus, o projeto visa  multar, apreensão de bens e produtos destas empresas e estabelecimentos que forem enquadradas. O projeto ainda prevê a suspensão temporária, total ou parcial destes estabelecimentos ou prestação de serviços, e até a sua interdição e cancelamento da inscrição na secretaria de Fazenda (Sefaz).

 

"A multa a que se refere o inciso I deste artigo é de R$ 10 mil a R$ 50 mil, corrigidos monetariamente pelo índice oficial, a depender da gravidade da infração e do porte do estabelecimento", diz outro trecho do PL.

 

Já em relação ao Bolsa Família e Pró-Família, os alunos cadastrados  e beneficiados com os programas "continuarão tendo direito à alimentação escolar".

 

"A alimentação escolar para os alunos a que se refere o artigo anterior será disponibilizada à sua família por meio de aporte de idêntico valor em meios de pagamentos disponíveis, a ser regulamentado no prazo de 2 dias pelo Poder Executivo, que viabilizem a aquisição de alimentação no comércio próximo escolar", diz o artigo 2º do projeto.

 

O valor por refeição será de R$ 3,98  e será transferido às famílias  conforme situação de cada estudante. Já para os estudantes que fazem uma refeição na escola, o valor será de R$ 59,70 para os quinze dias de suspensão das aulas. Já os que fazem duas o valor será de R$ 119,40. Os que fazem 3 o valor será de R$ 179,10.

 

"Fica autorizado o remanejamento de recursos financeiros da dotação orçamentária destinada a merenda escolar para a finalidade disposta nesta lei".

 

Os projetos foram elogiados pelos 24 deputados, que paranebizaram Botelho pela iniciativa.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2020 - SOLANGE PRISCILA DE SOUZA - CNPJ: 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Solange Priscila DRT MT- 002121