23/04/2019 às 12:39h
Sobrinho impediu açougueiro de ferir mais pessoas após matar a cunhada

Segundo o delegado, o rapaz chegou após Josué Pereira esfaquear a irmã da esposa e conseguiu evitar uma tragédia maior













Acusado de matar a cunhada, Eliane Maria Sousa de Lima, 49 anos, com um único golpe de faca, Josué Pereira da Silva (foto em destaque), 47, possuía duas ocorrências registradas na Polícia Civil do Distrito Federal por violência doméstica e Lei Maria da Penha, em 2014 e 2018. Descrito por testemunhas como um homem agressivo, o suspeito trabalhava como açougueiro no Gama e usou uma faca de 32 cm para golpear a irmã da esposa, Paula Otacílio de Lima, 43 anos.

Segundo o delegado da 20ª Delegacia de Polícia (Gama), Vander Braga, Josué e a esposa estariam fazendo o uso de bebida alcoólica momentos antes do crime. “Estavam bebendo muito e todos relataram que ele ficava agressivo quando bebia. Era um costume da própria família esconder as facas dele durante as brigas”, afirmou o policial.

Vander explicou que a filha de 11 anos da mulher, enteada de Josué, correu para pedir proteção à mãe. “A família mora toda próxima, a tia da menina, cunhada do autor, foi separar a briga quando levou uma facada na costela esquerda. O sobrinho do casal, por sua vez, mora em cima do apartamento dos dois e desceu para socorrê-la.”

De acordo com o policial, Hiago Otacílio de Lima “impediu que a tragédia fosse maior”. “Certamente, se esse sobrinho não contivesse o suspeito, teríamos cinco ou seis pessoas mortas, todas mulheres que foram apartar a briga. Ele ia matar o pessoal todo lá. Era forte, mas o sobrinho era mais.”

Na manhã desta segunda-feira (22/04/19), o juiz substituto do Tribunal do Júri e Vara dos Delitos de Trânsito do Gama, Gustavo Fernandes Sales, fez a audiência de custódia e converteu em preventiva a prisão em flagrante de Josué. “O autor teria feito uso de uma faca, em frente a testemunhas, o que demonstra a ousadia e o destemor do autuado, o desrespeito flagrante pelas leis e pela vida alheia, bem como a sensação aparente de impunidade”, disse, na decisão.

O juiz destacou o histórico de violência doméstica e familiar. Por isso, também aplicou outras sanções, caso alguma decisão judicial futura solte o acusado. Entre elas, está o imediato afastamento da casa e a proibição de aproximação ou contato com a esposa, a filha, familiares e testemunhas, por qualquer meio de comunicação.

Entenda o caso

Josué matou a própria cunhada à facada quando ela tentava defender a irmã. A vítima (imagem abaixo) foi atingida no peito no momento em que separava a briga do casal, na noite de domingo (21/04/19).

Após o crime, o suspeito foi espancado por um grupo de familiares, na Quadra 11 do Gama.

O caso foi registrado na 20ª Delegacia de Polícia (Gama) como feminicídio. Levado ao Hospital Regional do Gama, o homem recebeu atendimento. Em seguida, foi encaminhado para carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE).

Reprodução/Arquivo pessoal
REPRODUÇÃO/ARQUIVO PESSOAL

O acusado vai responder por feminicídio, lesão corporal e por agressões relacionadas à Lei Maria da Penha. A pena prevista para esses crimes é de mais de 30 anos de prisão.

Eliane já tinha sido vítima de violência doméstica praticada pelo marido dela. Em 2012, chegou a registrar ocorrência policial e recebeu medidas protetivas. Familiares contaram, entretanto, que ela teria reatado o relacionamento.

Jornalista: Victor Fuzeira

Fonte: Metrópoles

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2019 - SOLANGE PRISCILA DE SOUZA - CNPJ: 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Solange Priscila DRT MT- 002121