05/08/2018 às 02:44h
O que se sabe até agora sobre o 'atentado' contra Maduro na Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, afirmava em discurso que havia chegado a hora da "recuperação econômica" do país. De repente, ele interrompe a fala e olha para cima, com expressão preocupada.

Logo atrás, a esposa dele, Cilia Flores, se assusta e faz um gesto instintivo de quem se depara com algum perigo. Assim como Maduro, ela olha para o ceú. Essas imagens foram flagradas por câmeras que transmitiam ao vivo o discurso do presidente por ocasião do aniversário de 81 anos da Guarda Nacional Bolivariana - um dos quatro corpos das Forças Armadas do país.

As imagens mostram o momento em que soldados enfileirados começam a correr. Horas depois, Maduro fez um pronunciamento dizendo que sofreu uma tentativa de assassinato envolvendo drones e explosivos.

Mas restam muitas dúvidas sobre o episódio. Quem teria sido o autor do ataque? Quantas pessoas se feriram? Realmente foram usados drones?

O que se sabe até agora sobe o suposto ataque

O episódio aconteceu às 17h41, na capital venezuelana. Segundo o ministro das Comunicações, Jorge Rodriquez, "dois artefatos voadores, tipo drone" foram usados no "ataque".

Horas depois, em pronunciamento, Maduro disse: "Um objeto voador explodiu perto de mim. Uma grande explosão. Segundos depois, houve uma segunda explosão."

Fotos que circulam nas redes sociais mostram seguranças protegendo Maduro com escudos à prova de bala, após o suposto atentado.

Isso explicaria os gritos "tapa, tapa, tapa arriba Castillo", como que ordenando que cobrissem o presidente, para protegê-lo, e "Arriba, mi comandante" (para cima, meu comandante) que se podem escutar na transmissão televisiva.

Quem é o autor do "ataque"

Maduro informou que os "autores materiais do atentado foram caputados". "A investigação está muito avançada. Sem dúvida, lidamos com a situação em tempo recordo e se trata de um atentado para me matar", afirmou.

O general Tarek William Saab anunciou que os presos seriam apresentados publicamente na segunda.

Maduro acusou a Colômbia e pessoas de dentro dos Estados Unidos de instigarem o que chamou de "atentado da direita".

Ele acrescentou "não ter dúvida" de que o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, está "por trás desse ataque".

Mas Maduro não apresentou evidências para comprovar a acusação. O governo colombiano negou envolvimento, dizendo que as alegações do venezuelano "não têm base".

Já o ministro das Comunicações da Venezuela acusou "a oposição de direita" do país de orquestrar o ataque.

"Após perder no voto, eles falharam de novo", disse Rodriguez, em referência à eleição presidencial de maio que reelegeu Maduro para mais um mandato de seis anos.

Hasler Inglesias, um líder do partido de oposição Voluntad Popular, disse à BBC: "Nós não sabíamos o que estava acontecendo. E é difícil acreditar que a oposição faria um atentado sendo que nunca fez algo assim em 20 anos."

Enquanto isso o pouco conhecido grupo "Movimento Nacional Soldados de Camiseta" disse na sua conta no Twitter que foi o autor do atentado.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2018 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121