03/06/2018 às 09:20h
Com discursos sobre as eleições e vaias ao prefeito, Parada do Orgulho LGBT lota a Paulista


SÃO PAULO - A 22a. Parada do Orgulho LGBT ainda nem havia começado e a Avenida Paulista já estava lotada entre a Rua da Consolação e a Avenida Brigadeiro Luís Antônio. Sem cravar um número oficial, a Prefeitura informou que manteve, neste ano, a mesma infraestrutura do ano passado, com 39 pontos de bloqueios ao redor da Paulista.

Com discursos sobre as eleições e vaias ao prefeito, Parada do Orgulho LGBT lota a Paulista: Dezoito trios elétricos estão enfileirados na Avenida Paulista © Bruno Ribeiro/Estadão Dezoito trios elétricos estão enfileirados na Avenida Paulista

A multidão, fantasiada, com coroas com as cores do arco-íris e fantasias de Carnaval, se amontoa ao redor dos 18 trios elétricos enfileirados pela Paulista. "Isso é um ato político, é contra o preconceito. Mas também é uma festa e eu vim aproveitar", disse o operador de telemarketing Felipe Tubone, de 22 anos.

+++ Famílias vão à Parada do Orgulho LGBT e tratam com crianças questões como diversidade e respeito
A apresentadora Tchaka abriu o evento com críticas aos parlamentares conservadores, que foram acompanhadas de gritos da plateia pedindo "Fora Temer". Depois, Tchaka puxou o mesmo grito de protesto. Com o tema "Poder para LGBTI+: Nosso Voto, Nossa Voz", a Parada busca conscientizar a comunidade sobre a importância do voto nas eleições deste ano.

O prefeito Bruno Covas afirmou à imprensa esperar uma festa "para mostrar que São Paulo não admite preconceitos". Covas discursou por um minuto ao abrir a marcha, no trio elétrico, e foi vaiado do início ao fim.

Além do prefeito, outros políticos discursaram, mas sem serem vaiados, como a vereadora Soninha Francine (PPS) e a pré-candidata à Presidência Manoela D'Avilla (PCdoB).
A mulher da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (Psol), assassinada em março, também se pronunciou: "Apesar de ter cara de festa, é um ato político. É resistência. Temos que vir para rua fazer festa, mas também para fazer revolução. Isso aqui é revolução. Por nenhuma Marielle a mais assassinada, por nenhum gay assassinado, por nenhuma lésbica assassinada e nenhuma trans assassinada."
Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2018 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121