28/05/2018 às 10:07h
Sem combustíveis e gás, prefeituras de Chapada e Tangará decretam emergência

Valquiria Castil e Welington Sabino, do GD


Divulgação

Prefeituras de Chapada dos Guimarães e Tangará da Serra

A exemplo de Cuiabá e Várzea Grande, cidades do interior de Mato Grosso também são atingidas pela paralisação dos caminhoneiros que completou 8 dias nesta segunda-feira (28). Com a falta de combustíveis, gás de cozinha e alguns alimentos, prefeituras começam adotar ações de contingenciamento, redução do expediente e até mesmo suspensão de alguns serviços.

A situação considerada mais grave vem dos municípios de Chapada dos Guimarães e Tangará da Serra, locais onde os prefeitos decretaram situação de emergência por falta de combustíveis e gás de cozinha.

Em Chapada, a prefeita Thelma de Oliveira (PSDB), tomou a decisão nesta segunda-feira (28) e o decreto será publicado no Diário Oficial dos Municípios (AMM) nesta terça-feira (29). "Veja bem, estamos desde ontem sem combustível em todos os postos da cidade. Fizemos isso por se tratar de uma cidade turística que recebe milhares de pessoas em períodos de feriadão e finais de semana. Imagine quando começar o feriadão na cidade que recebe cerca de 8 mil pessoas a mais e nós sem combustíveis e sem gás de cozinha", justifica a tucana em entrevista .  

"Aqui na cidade já não tem mais nenhum botijão de gás pra vender. A quantidade em estoque é extremente pequena. Estamos preocupados também com os medicamentos de média e alta complexidade. A quantidade que temos seria para uma semana normal no Município, mas não sabemos o que vem pela frente numa semana de feriadão. Precisamos ter em estoque como prevenção para os próximos dias”, diz ao prefeita ao ressaltar que às vezes Chapada dos Guimarães tem ficado lotada mesmo em dias que não são feriados ou final de semana.

Com o decreto de emergência, Thelma espera receber auxílio do governo do Estado já nesta terça-feira para que seja providenciada escolta policial para caminhões com combustíveis, gás de cozinha e medicamentos. "Ao decretar situação de emergência a gente espera receber o combustível com prioridade, o decreto permite isso", pontua ela que aguarda o término das reuniões do comitê de gestão de crise montado pelo governador Pedro Taques, para ter uma resposta sobre a situação de Chapada.

Quanto às aulas e atendimentos na saúde a prefeita garante que não foram afetados. "As aulas estão normais, temos estoque de combustível que mantivemos para os alunos não perder aula. Na saúde concentramos os atendimentos nos PSFs da Cidade e no Hospital de Chapada. A coleta de lixo também está normal", diz ela.

A Prefeitura de Tangará da Serra, sob o comando de Fábio Martins Junqueira (MDB) também decretou estado de emergência por conta da falta de combustível nos veículos oficiais. Conforme o decreto, a preocupação é em relação ao abastecimento das ambulâncias, viaturas da Guarda Municipal e veículos de transporte escolar, limpeza urbana, coleta de lixo, saneamento.

Serviços suspensos em outras cidades

Em Sorriso, os serviços nas áreas de educação, esporte, obras, transportes foram suspensos integralmente, inclusive nas escolas municipais não haverá aulas. Apenas foram mantidos o transporte de pacientes e ambulâncias. A coleta de lixo sofreu alterações nos horários.

Já em Primavera do Leste, foi determinado ponto facultativo nesta segunda-feira, podendo ser prorrogado até quarta-feira (30) caso a greve dos caminhoneiros continue. Todos os serviços da área de saúde, educação e limpeza foram mantidos. Em apoio ao movimento grevista, a Prefeitura ainda aderiu ao protesto junto a outros órgãos públicos, sindicatos, empresas privadas e cooperativas do município.

No município de Sinop houve redução de duas horas no horário de atendimentos que passaou de 8 para 6 horas. Todos os serviços ligados à saúde serão realizados das 7h às 13h. Enquanto os atendimentos da assistência social continuam em horário normal, das 7h às 13h e das 13h às 19h. Conforme a assessoria da Câmara de Vereadores, o expediente também foi mantido. Mas os parlamentares prefendem realizar uma manifestação em apoio à greve dos caminhoneiros.

O transporte de emergência na área da saúde, fiscalização de trânsito e atendimentos da assistência social continuam em Rondonópolis e o Aeroporto Municipal Maestro Marinho Franco opera normalmente. Na zona rural as aulas foram suspensas por falta de combustível. A concessionária de água afirmou por meio de nota que não há problemas no abastecimento, mas alertou quanto ao consumo de água consciente, ou seja, para não ter desperdício.

No domingo (27), o presidente Michel Temer (MDB) anunciou 6 medidas para beneficiar os caminhoneiros e tentar encerrar a greve. Porém, conforme os representantes dos grevistas os termos do acordo ainda são repassados aos caminhoneiros. Só então será possível saber se a greve será ou não encerrada.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2018 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121