20/02/2018 às 01:25h
Com gols contra, Corinthians empata e amplia jejum antes do Derby

O Corinthians não conseguiu reagir no início da semana que terminará com o clássico contra o Palmeiras. Na noite desta segunda-feira, no encerramento da oitava rodada do Campeonato Paulista, o time derrotado por Santo André e São Bento em seus compromissos anteriores não passou de um empate por 1 a 1 com o Red Bull Brasil no Moisés Lucarelli.

Monótono na etapa inicial, o jogo teve dois gols contra na final. O primeiro foi de Tiago Alves, do Red Bull para o Corinthians, completando um chute cruzado de Clayson para dentro. Juninho Capixaba retribuiu o presente ao cabecear a bola para o alto quando Cássio deixava a meta.

O resultado levou o Corinthians aos 13 pontos ganhos, ainda na liderança do grupo A do Estadual. O atual campeão, entretanto, ficou ainda mais pressionado às vésperas de enfrentar o seu grande rival. O Derby da tarde de sábado será em Itaquera.

Já o Red Bull contabiliza agora 11 pontos na chave D – o líder Santos totaliza 14 – e só voltará a atuar pelo Campeonato Paulista na segunda-feira que vem. O adversário será o Ituano, no Novelli Júnior.

© Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

O jogo – O Corinthians até animou a sua torcida no início da partida contra o Red Bull. Se levou um susto quando o veterano Éder Luís acertou o ferro de sustentação da trave em uma tentativa de fora da área, o time visitante carimbou o goleiro Julio Cesar – ele mesmo, campeão brasileiro como titular corintiano em 2011 – duas vezes em menos de cinco minutos.

Na primeira, Júnior Dutra fez bom passe para Rodriguinho chutar em cima do goleiro. Pouco depois, Clayson partiu em velocidade pela ponta direita e finalizou cruzado, com ainda mais força. Julio Cesar foi ao chão, zonzo, mas não sofreu o gol.

O goleiro não teria muito mais trabalho nos minutos seguintes. Em pouco tempo, o Corinthians voltou a apresentar o futebol acomodado das derrotas para Santo André e São Bento também em Campinas. Era o Red Bull que ficava com a bola nos pés na maior parte da primeira etapa.

Para resolver o problema da falta de criatividade, o Corinthians recorria até ao volante Renê Júnior, testado no lugar do preservado Gabriel, que se apresentava constantemente no ataque. Camacho, ao contrário, não conseguiu cumprir a missão de melhorar o aproveitamento de passes da equipe na vaga de Jadson. Ele errava tanto quanto Rodriguinho, Júnior Dutra e os demais.

Dessa maneira, o Corinthians começou a despertar insatisfação em alguns dos torcedores presentes nas arquibancadas do Moisés Lucarelli já nos instantes derradeiros do primeiro tempo. Carille resolveu entrar em ação. Fez o seu time voltar do vestiário para a disputa da etapa final com a troca de Camacho por Maycon.

Deu resultado. Aos três minutos, Fagner levantou a torcida com uma conclusão perigosa de longa distância, para fora. Aos sete, o público, ainda de pé, passou a pular. Clayson recebeu a bola na ponta e chutou no canto. A bola tocou em Tiago Alves, do Red Bull, e entrou, trazendo alívio a Carille e aos seus jogadores.

Sem a pressão da busca pela vantagem no marcador, o Corinthians se soltou em campo. Fagner chegou a passar a bola entre as pernas do ex-corintiano Claudinho na lateral do campo, próximo de onde estava concentrada a maior parte dos torcedores. O atacante acabou substituído quase em seguida, por Thomaz.

Como já ensinava Tom Jobim, porém, felicidade tem, sim, fim. A dos torcedores do Corinthians ruiu aos 23 minutos, graças a uma trapalhada do já contestado Juninho Capixaba. O lateral esquerdo cabeceou a bola para o alto quando Cássio deixou o gol e foi mais um a anotar contra no Moisés Lucarelli.

Capixaba, que levou uma pancada, saiu logo depois. Carille apostou na entrada de um novo volante, Gabriel, e deslocou Maycon para a lateral esquerda. A última ficha do treinador causou muito mais vibração entre os torcedores – o ídolo Emerson Sheik foi acionado no posto de Clayson.

Aos 34 minutos, o Corinthians sacudiu a rede outa vez, mas não valeu. Sheik brigou pelo alto com Everton Silva – e cometeu a falta, na visão do árbitro Vinícius Furlan – antes de Rodriguinho conferir em mais um lance frustrante do apático atual campeão paulista. Ao apito final, vaias.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2018 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121