01/01/2018 às 06:18h
Festa da virada em Copacabana reuniu 2,4 milhões de pessoas
Agência Brasil


Com 17 minutos de queima de fogos, turistas e cariocas festejaram a virada do ano na Praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro. De acordo com balanço divulgado pela prefeitura, 2,4 milhões de pessoas lotaram a orla. A estimativa inicial era de 3 milhões de pessoas. As 25 toneladas de fogos multicoloridos foram disparadas de 11 balsas. Doze telões, dos quais dez espalhados pela orla e dois nas laterais do palco, levaram para o público que estava mais distante imagens da grande festa.

Na avaliação do presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Marcelo Alves, esse  foi, "sem sombra de dúvidas, o maior Réveillon de todos os tempos". Ele destacou a participação do público não apenas em Copacabana, mas também nos outros palcos da cidade. Alves comemorou a ocupação média de 97% nos hotéis da capital fluminense, de acordo com a Associação da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (Abih-RJ).

FOTOS: Veja como foi a virada do ano pelo mundo

O clima foi de festa e de comemoração com muitos abraços, seguindo o tema escolhido para os festejos desse ano, baseado na música Aquele Abraço, do cantor e compositor Gilberto Gil.

"Esse foi o Réveillon do abraço e essa imagem de milhões de pessoas se abraçando foi um marco para a nossa cidade. Vai entrar para a história. Estamos muito felizes de realizar esse grandioso evento. Agora vamos estender essa festa até o dia 6 de janeiro, quando o mesmo palco irá receber um encontro inédito entre as 13 baterias das escolas de samba do Grupo Especial e os músicos da Orquestra Petrobras Sinfônica. Vai ser histórico assim como a noite da virada", disse Marcelo Alves.

A cantora Anitta se apresentou logo após a queima de fogos, seguida pelas escolas de samba campeãs do carnaval de 2017: Portela e Mocidade Independente de Padre Miguel.

Antes da virada, o público assistiu a apresentações de músicos e bandas como Frejat, Cidade Negra, Belo, Ana Petkovic, Alex Cohen e DJ Tucho no palco idealizado por Abel Gomes. Os atores André Marques e André Marinho foram os mestres de cerimônia do evento.

A Riotur estima que o Rio de Janeiro tenha recebido cerca de 910 mil turistas no período do Réveillon, que injetaram na economia carioca R$ 2,3 bilhões.

Outras festas

O Réveillon 2017/2018 do Rio de Janeiro contou com mais nove festas em pontos diversos da cidade. No Parque Madureira, na zona norte, 35 mil pessoas assistiram a shows gratuitos de Thiago Genthil, Vitinho, Belo e ao samba da Mangueira e do Império Serrano. No Flamengo, zona sul, 350 mil pessoas festejaram a virada ao som de Dani, Michael Sullivan, Grupo Revelação, além das escolas de samba Salgueiro e São Clemente.

A Ilha do Governador, zona norte, recebeu 70 mil pessoas, enquanto o Piscinão de Ramos contou com a presença de 45 mil pessoas que celebraram a chegada de 2018 com o pagode, além de sambas da Grande Rio e da Beija-Flor.

Também no Iapi da Penha, zona norte, a festa começou com o conjunto Aeroporto e seguiu com ImaginaSamba e Imperatriz Leopoldinense, atraindo 35 mil pessoas. A Ilha de Paquetá reuniu cerca de 4 mil pessoas na festa organizada na praia da Moreninha.

Na Praia do Recôncavo, em Sepetiba, zona oeste, cerca de 40 mil pessoas comemoraram a virada do ano. Em Pedra de Guaratiba, também na zona oeste, a Rua Barros de Alarcão recebeu 10 mil pessoas. A escola de samba Unidos de Vila Isabel encerrou a noite.

Na Barra da Tijuca, na zona oeste, houve a já tradicional queima de fogos com apoio da Abih-RJ.

Atendimentos médicos

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) registrou 657 atendimentos médicos nos quatro postos montados na orla de Copacabana para atender o público na virada do ano. O número foi menor que no Réveillon passado, quando foram realizados 860 atendimentos e feitas 58 remoções desde as 17h30 do dia 31 dezembro até o fechamento dos postos. O esquema especial de assistência em saúde de ontem (31) começou também às 17h30, encaminhando para hospitais da rede municipal 58 pessoas.

O primeiro bebê carioca nasceu de parto normal em São Cristóvão, bairro da zona norte do Rio de Janeiro, três minutos depois do início da queima de fogos. Ele é do sexo feminino e recebeu o nome de Alícia.

A assessoria de imprensa da secretaria informou ainda que os quatro postos de atendimento foram montados na Praça do Lido e nas ruas República do Peru, Santa Clara e Bolívar, consideradas áreas de maior concentração de público. Os casos mais graves, que necessitaram de remoção, receberam suporte de 30 ambulâncias de porte avançado e mais nove de suporte básico.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121