08/12/2017 às 06:34h
Inflação no ano é a menor desde 1998, diz IBGE

Os preços monitorados pelo IPCA subiram 0,28% em novembro, segundo divulgou o IBGEnesta sexta feira. Com o resultado a inflação acumulada no ano (2,50%) é a menor desde 1998, neste tipo de comparação.

O maior impacto para o baixo avanço nos preços foi o grupo alimentação e bebidas, que registraram a sétima queda mensal consecutiva (-0,38%). O IPCA é calculado simulando a cesta de compras média das famílias brasileiras, e este grupo é o que tem maior participação (24,7% do total). Com isso, a queda nos preços de alimentos tem grande impacto para “segurar” o índice geral.

Na outra ponta,o maior avanço foi no grupo habitação (1,27%), que foi a maior alta. O grupo também havia registrado o maior avanço no mês anterior (1,33%). Dentre as principais influências em novembro estão o aumento dos preços de energia elétrica (alta de 4,21%) –  por conta da vigência maior bandeira tarifária (vermelha 2), que indica sobretaxa no nível mais alto – e o gás de botijão (1,57%).

O preço do botijão ao consumidor final foi impactado pela alta do preço que a Petrobras cobra nas refinarias das distribuidoras, de 4,50%, segundo o IBGE. Desde junho, esses reajustes somam 68%. Na quinta-feira, a petrolífera anunciou que mudaria o cálculo para a mudança de preços, com objetivo de suavizar o impacto.

Houve também aumento nas taxas de água e esgoto (1,32%), impulsionadas pelo reajuste de tarifas em São Paulo.

O grupo Transportes foi o segundo que mais subiu no mês (0,52%), com a gasolina tendo alta de 2,92% e o etanol, 4,14%. Os grupos Habitação e Transporte respondem por 15,7% e 18,1% do IPCA, respectivamente.

Inflação

O centro da meta de inflação definida pelo governo para o ano é de 4,5%. Mas há uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual, o que faz com que os limites vão de 3% a 6%. O mercado financeiro estima que o IPCA encerrará o ano em 3,03%, ligeiramente acima do piso mínimo. O ritmo fraco de avanço de preços no ano tem levado o Banco Central a reduzir os juros. Na última quarta, a taxa Selic caiu 0,50 p.p., a 7%, o menor patamar da história.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2018 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121