05/12/2017 às 07:35h
Óvulo faz seleção de espermatozoides e não é "dócil" como leis da genética imaginavam

Até agora, a ciência tratou o papel do óvulo na fertilização como o de uma atriz de figuração que só espera a fala do protagonista para responder: “sim, senhor”.

Um estudo realizado no Instituto de Pesquisa Pacific Northwest, em Seattle, nos Estados Unidos, entretanto, descobriu que o óvulo não é uma célula passiva; pelo contrário, ele é capaz de escolher ou rejeitar os espermatozoides de acordo com a carga genética do gameta masculino.

É como se o óvulo fizesse uma avaliação da identidade do espermatozoide e estivesse ativamente pronto para decidir entre “hoje, não” ou “hoje, sim”.

Óvulo escolhe espermatozoide: quais são as evidências

ovulo fecundacao espermatozoide 217 400x1400© koya79/iStock ovulo fecundacao espermatozoide 217 400x1400

A corrida de espermatozoides, pequenos e ágeis, para fecundar o óvulo é uma das figuras mais frequentes estampadas nos livros de biologia e no nosso imaginário.

A pesquisa feita pelo cientista Joe Nadeau acrescenta, porém, uma novidade fundamental neste cenário: o fato de que o óvulo não é uma célula dócil e submissa durante o processo de reprodução.

A esse quadro, o cientista deu o nome de “fertilização geneticamente tendenciosa”.

Em entrevista ao site especializado em ciência Quanta Magazine, o pesquisador que desafia a Lei de Mendel explicou que, de acordo com as evidências do estudo, o óvulo faz as vezes de um recrutador e elimina da corrida os espermatozoides com genes inadequados – tudo para que a fecundação seja o mais saudável possível.

Ou seja, a fecundação não é aleatória, e, nesta teoria, o óvulo pode dar preferência ou afastar espermatozoides. Tudo eleva a seleção sexual no nível celular a um patamar ainda mais complexo – assim como a escolha entre as pessoas (e é o cientista quem afirma isso).

“É o equivalente a escolha de um parceiro”, explica Joe.

Pesquisa foi feita com camundongos

Para chegar aos resultados, o cientista colocou camundongos machos com genes normais para cruzar com dois grupos de fêmeas: parte com genes normais e parte carregando artificialmente genes com chances de desenvolver câncer de testículo, uma das formas mais hereditárias de tumor.

Nos primeiros cruzamentos, nasceram ratinhos com genes aleatórios, de acordo com as leis de Mendel.

Em uma segunda fecundação, Joe inverteu o jogo, colocando fêmeas com genes normais para cruzar com machos com a cópia do gene mutante. Conclusão: apenas 27% dos filhotes apresentavam o gene mutante do pai; a estimativa é que 75% nascessem com a variação genética.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121