20/11/2017 às 11:38h
Departamento de Vigilância ressalta como deve ser eliminado o caramujo-africano

O caramujo africano (Achatina fulica) foi introduzido ilegalmente no Brasil inicialmente na década de 1980 como alternativa econômica ao escargot  em uma feira agropecuária. Em pouco tempo de criação, verificou-se que o animal não tinha boa aceitação no mercado consumidor brasileiro, o que provocou a desistência da maioria dos criadores que se desfizeram dos animais de forma errônea, liberando-os em jardins, matas ou simplesmente jogando no lixo.

Não encontraram predadores naturais e multiplicaram-se rapidamente, invadindo diversos tipos de ecossistemas brasileiros e se alastrando.

Em Colíder, o departamento de Vigilância em Saúde orienta que os moradores realizem o controle do caramujo-africano realizando a catação e destruição do mesmo.

- Jamais coloque-os no lixo pois assim estará disseminando o problema

- Também não coloque sal nos animais porque isso contamina o solo

- É preciso quebrar as conchas para que elas não acumulem água e se transformem em focos de mosquitos.

- O plano de ação do Ibama recomenda que após a catação os moluscos devem ser esmagados, cobertos com cal virgem e enterrados.

O PRECONIZADO É O SEGUINTE:

Utilize luvas descartáveis ou sacos plásticos para pegar e manusear os animais;

Proteja a pele e as mucosas: não coma, fume ou beba durante o manuseio do caramujo;

Coloque os caramujos em saco plástico e quebre suas conchas;

Despeje-os em valas com pelo menos 80 cm de profundidade, longe de cisternas, poços artesianos ou do lençol freático;

Aplique cal virgem sobre os caramujos quebrados (cuidado, a cal queima a pele);

Feche a vala com terra;

Retire as luvas e lave muito bem as mãos após isso.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Publicidade Nova Visão - CNPJ 07.296.611/0001-78. Jornalista responsável Jose Paulo Batista DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 002121