15/11/2017 às 09:24h
Baleia encontrada morta em Ipanema buscava costa do Brasil para reprodução

Os frequentadores da praia de Ipanema, zona Sul do Rio de Janeiro, foram surpreendidos com o corpo de uma baleia jubarte de cerca de 15 metros encalhado nas areias cariocas. O animal pesa quase 30 toneladas e foi encontrado pelos banhistas nesta quarta-feira (15).

De acordo com o biólogo Rafael Carvalho, o animal, que é considerado um macho adulto, já estava morto quando foi visto.

"Está em um estado de decomposição bem avançado. Pelo estado, sem pele, inchada, pode ser que esteja morta há cerca de uma semana ou mais", explicou em entrevista ao G1.

© LEO CORREA via Getty Images

Os ossos da mandíbula da baleia foram encontrados alguns metros distantes do corpo.

Especialistas em resgates de animais marinhos disseram que vão precisar de um guindaste e um caminhão para remover o corpo da baleia do local. Eles estão planejando a retirada para que não seja necessário dividir as partes do corpo do animal em pedaços.

"Nós vamos precisar de duas retroescavadeiras para puxar esse animal na areia. Tem que prestar atenção que a baleia está em decomposição. Temos que fazer um envoltório dela para poder tirar sem que fique em pedaços. Isso vai ser bem difícil. Na pista o guindaste vai içá-la e levar até uma prancha no caminhão, que vai suportar o peso dela para seguir até o Aterro Sanitário", explicou o diretor da Comlurb, Eduardo Vieira, à Agência Brasil.

O biólogo Rafael Carvalho disse que este período de novembro é um momento de migração das jubartes, que vêm das águas do sul do Atlântico Sul, onde é uma área de alimentação.

As baleias procuram a costa brasileira principalmente para reprodução.

"Parte dessa população migra para a nossa costa onde se concentra em área de reprodução, principalmente no norte do Espírito Santo e sul da Bahia, para depois em novembro iniciarem os movimentos de volta para as áreas de alimentação. Essa é a dinâmica para essa espécie", explicou.

A Guarda Municipal carioca isolou a região para evitar curiosos, mas, ainda assim, o corpo da jubarte serviu de atração para frequentadores que tiraram fotos e selfies com o cadáver do animal.

Nas redes sociais, usuários lamentaram a morte do mamífero.