11/07/2017 às 11:32h
PSDB vai liberar bancada para votar denúncia contra Temer no plenário

BRASÍLIA - A bancada do PSDB na Câmara dos Deputados vai liberar o voto dos 46 parlamentares da legenda na análise em plenário da admissibilidade da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer pelo crime de corrupção passiva. Após uma reunião nesta terça-feira da bancada tucana, o líder Ricardo Tripoli (SP) avaliou que maioria do partido deve votar contra o governo no plenário. A decisão, porém, só será oficializada após a votação na CCJ.

“O PSDB está dividido. Por isso, não há como fechar questão. Eu tenho convicção do meu voto pela admissibilidade da denúncia contra o presidente. Ninguém vai mudar minha convicção”, afirmou o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB).

Segundo o placar do Estado, o PSDB contabiliza 15 votos a favor da admissibilidade da denúncia, 3 contra e 3 indecisos – 28 parlamentares não responderam. O cenário para Temer também é desfavorável na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ). Integrante do PSDB na comissão, o deputado Jutahy Junior (BA) declarou ontem voto pela aceitação da denúncia.

Com isso, a expectativa é de que o placar dos tucanos na CCJ seja de 6 votos a 1 contra o Palácio do Planalto – são sete os membros do PSDB na colegiado. O único que deve ficar do lado de Temer e votar pelo não prosseguimento do pedido da PGR é o deputado Paulo Abi-Ackel (MG), aliado do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Até a divulgação do voto de Jutahy Junior, as contas indicavam que o PSDB registraria 5 votos contra e 2 a favor de Temer no colegiado da Câmara.

Mesmo com sinais cada vez mais claros de que os tucanos votarão majoritariamente contra o governo na Câmara, o Palácio do Planalto decidiu não fazer “movimentos bruscos” em relação ao partido. Segundo auxiliares de Temer, as quatro pastas comandadas pelo PSDB serão mantidas – Direitos Humanos, Cidades, Secretaria de Governo e Relações Exteriores.

A estratégia de Temer, agora, é atuar no varejo para reverter votos. O próprio presidente entrou na operação, mas as notícias de ontem foram consideradas ruins pelo governo.

Sinais. Os tucanos deram ainda outros sinais de que a participação na gestão Temer está com os dias contados. Em um evento no interior de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin, que apoiava a permanência do PSDB no governo, disse que o partido está em busca de convergência para deixar a base do peemedebista, pois “não precisa ter pessoas no governo”.

“Apoio total à retomada do emprego no Brasil, (apoio a)todos os projetos e medidas para a retomada do emprego e renda, mas cada vez vai ficando mais claro que não há necessidade de o partido ter pessoas no governo, por mais gabaritadas que sejam, por mais preparadas que sejam para poder ajudar o Brasil e o povo brasileiro nesse momento difícil. Acho que (o PSDB) caminha para isso”, declarou o governador, ao comentar o assunto durante visita à região de São Carlos (SP).

Discordância. Aliado de Alckmin, o prefeito João Doria se posicionou de outra forma. Questionado sobre a declaração do governador, Doria disse que a reunião dos tucanos em São Paulo, anteontem, no Palácio dos Bandeirantes, não deliberou sobre o rompimento com o governo Temer.

“Embora eu respeite evidentemente a posição do governador Geraldo Alckmin, a decisão é continuar avaliando dia a dia as questões do governo Temer, compreendendo também a posição daqueles que são ministros de Estado”, disse o prefeito. Ainda segundo Doria, o partido entende que haverá um afastamento “gradual” da gestão para não prejudicar o País.

“Temos que compreender que a política econômica, liderada pelo ministro Henrique Meireles, ministro da Fazenda, vem produzindo até aqui bons resultados, sobretudo diante das circunstâncias políticas do País. E é preciso preservar isso”, afirmou o prefeito.

Já o governador do Paraná, Beto Richa, reforçou ontem o coro dos que defendem o desembarque. Para ele, a proporção de votos pela admissibilidade da denúncia contra Temer deve se repetir no plenário da Câmara. “É inegável que o número de descontentes com o governo aumentou. E a situação do governo deteriorou-se”, disse ele ao Estado. O governador repete o discurso de que o compromisso do PSDB seria com a retomada do crescimento e não com a manutenção do governo. / COLABORARAM GILBERTO AMENDOLA e JOSÉ MARIA TOMAZELA

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Bem Mais Comunicação - CNPJ 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Jose Paulo DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 2121