22/06/2017 às 09:49h
Juíza nega pedido de Alan Malouf e autoriza imagens no Fórum

Karine Miranda/GD


A juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Rosane Santos Arruda, negou o pedido do empresário Alan Malouf para que não fossem realizadas imagens dele durante as oitivas do processo penal em que é réu sob acusação de crimes de organização criminosa e corrupção passiva, oriundas da Operação Rêmora. A decisão foi proferida na quarta-feira (21).


Em sua decisão, Selma destacou que, embora esteja colaborando para a elucidação do esquema, não se trata de uma delação premiada, na qual a imagem poderia ser preservada. Desse modo, a publicidade é constitucional e ocorre com o escopo de garantir a transparência da justiça, a imparcialidade e a responsabilidade do juiz.
O pedido foi feito pela defesa de Malouf, que requereu que ele não fosse filmado ou mesmo fotografado durante as audiências de instrução. O empresário é acusado de ser mandante de um esquema realizado na Secretaria de Educação (Seduc), sob a suposta liderança do então secretário Permínio Pinto.

“O processo penal obedece ao princípio da publicidade, segundo o qual todo processo é público. Tal princípio é um requisito de democracia e de segurança das partes, tendo como única exceção os casos de segredo de justiça, elencados no artigo 189 do NCPC”, disse.

Além disso, a juíza cita que, na audiência realizada no dia 8 de junho, “a defesa não requereu que a imagem do acusado fosse preservada”. Na ocasião, o empresário confirmou à juíza o que já havia falado ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) sobre a suposta existência de caixa dois na campanha de eleição do governador Pedro Taques (PSDB), em 2014. Este seria o motivo pelo qual teria se iniciado o esquema na Seduc.

“Desta forma, não se tratando de réu que é colaborador premiado, e não havendo nenhuma vedação legal quanto à divulgação da imagem do mesmo, a audiência prosseguiu sem que houvesse a intervenção do juízo. Assim, indefiro o pedido formulado”, encerrou.

Esta é a segunda derrota que Malouf sofre. A primeira foi quando ele requereu o afastamento da juíza Selma do processo, sob a alegação de que ela não é competente para conduzir o processo.

Ao todo, Malouf é réu em três ações penais, sendo duas relativas à Operação Rêmora e uma proveniente da Operação Sodoma, que investigou esquemas de corrupção na gestão de Silval Barbosa (PMDB).

Operação Rêmora - A operação foi deflagrada pelo Gaeco em maio de 2016, a fim de desmantelar uma organização criminosa que atuava em licitações e contratos administrativos de obras públicas de construção e reforma de escolas da Seduc.

 A organização criminosa era composta por particulares e agentes públicos e tinha como objetivo obter vantagens indevidas, a princípio, sobre contratos da Seduc, bem como fraudar licitações desse mesmo órgão. Conforme as investigações do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), a organização criminosa era composta por 4 núcleos: liderança, agentes públicos, operação e empreiteiros. Alan Malouf, segundo a denúncia do MPE integrava o núcleo de liderança juntamente com Permínio.

As investigações da operação Rêmora apontaram que um grupo composto por servidores públicos e empresários se reunia e combinava, mediante pagamento de propina de 5%, fraudes e direcionamentos de 23 obras para reformas e construções de escolas estaduais orçadas em mais de R$ 56 milhões.

Alan Malouf foi preso no dia 14 de dezembro do ano passado, na terceira fase da operação Rêmora, intitulada Grão Vizir. Ele, porém, conseguiu reverter para prisão domiciliar.

Espalhe por ai:
Link:
Publicidade
Power by
Todos os direitos reservados. 2009-2017 - Bem Mais Comunicação - CNPJ 15.349.563/0001-67. Jornalista responsável Jose Paulo DRT MT- 000273 - Solange Priscila DRT MT- 2121