Os conselheiros do Palmeiras aprovaram o uso de uma estrela vermelha no uniforme do clube em referência à conquista da Copa Rio de 51, torneio tido pela equipe como primeiro mundial entre clubes da história. A novidade estará presente já diante do Tucumán, da Argentina, em partida válida pela Copa Libertadores, no Allianz Parque, nesta quarta.

A decisão foi tomada durante reunião dos membros do conselho, na noite desta terça-feira, e anunciada pelo presidente Mauricio Galiotte. Independentemente do reconhecimento da Fifa, o Palmeiras decidiu que fará a divulgação de sua conquista como mundial.

A inclusão de uma estrela vermelha no escudo consta no estatuto do clube palmeirense, mas nunca foi colocada em prática pelas diretorias.

A conquista de 1951 aparece citada no Capítulo X do estatuto, que versa sobre os símbolos e uniformes. O artigo 139 prevê a colocação de "uma estrela na cor vermelha, alusiva à conquista da Copa Rio" acima do escudo do Palmeiras.

Abaixo da estrela vermelha, de forma geométrica e proporcional, o estatuto prevê a colocação 'de estrelas na cor branca, tantas, quantos forem os títulos nacionais conquistados' - a equipe tem 11 nacionais - sendo quatro Brasileiros, duas Taças do Brasil, dois Torneios Roberto Gomes Pedrosa e três Copas do Brasil.

A Copa Rio foi um torneio criado pela CBD (Confederação Brasileira de Desportos) e teve a participação oito equipes, sendo seis estrangeiras. A decisão ocorreu em dois jogos contra Juventus, da Itália, no Maracanã.

O Palmeiras venceu por 1 a 0 e empatou por 2 a 2. A formação que ergueu a taça foi escalada pelo técnico Ventura Cambón assim: Fábio; Salvador, Juvenal e Túlio; Luiz Villa e Dema; Lima, León (Canhotinho), Liminha, Jair Rosa Pinto e Rodrigues.

  • Primeiro Mundial?

Em busca de reconhecimento da Fifa, o Palmeiras montou um dossiê em 2006, no qual afirmava que o torneio tornou-se uma realidade graças ao engenheiro italiano Ottorino Barassi, braço direito do então presidente da Fifa, Jules Rimet - o que ao modo de ver do clube deu à disputa um caráter oficial.

O dossiê foi produzido com apoio de Roberto Frizzo, ex-vice do clube na gestão de Arnaldo Tirone. O arquivo foi publicado em quatro línguas, com depoimentos de ex-jogadores que estiveram em campo no torneio. Entre eles se destacam o palmeirense Jair Rosa Pinto, o italiano e ídolo da Juventus, Giampiero Boniperti, e o brasileiro Yeso Amalfi, que defendia o francês Nice em 1951.

O documento mostra que a disputa de um campeonato mundial de clubes era um sonho antigo de Jules Rimet. A intenção do primeiro mandatário da história da Fifa era organizar o torneio de estreia em 1939, mas a eclosão da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) adiou os planos em 12 anos. Coube a Barassi a tarefa de concretizar as ambições de Rimet.

Barassi integrava desde 1913 o quadro de árbitros do futebol italiano. Antes de se envolver com a Copa Rio, o dirigente trabalhou como presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 1934 e chefiou a Federação Italiana de Futebol. A confiança que a Fifa tinha em Barassi era tamanha que ele foi o escolhido para proteger a taça Jules Rimet durante a Segunda Guerra Mundial.

  • A decisão da Fifa

Em 2001, no 50º aniversário do título conquistado no Maracanã, o Palmeiras pleiteou por parte da Fifa o reconhecimento da Copa Rio como torneio mundial interclubes. Cinco anos antes do processo capitaneado pelo conselheiro Roberto Frizzo.

Apenas 13 anos depois, em 2014, foi que a Fifa reconheceu a Copa Rio 1951 como um de alcance mundial. Em novembro daquele ano, o palmeirense Aldo Rebelo divulgou, por meio do site do Ministério do Esporte, o reconhecimento da Fifa.

Segundo o presidente palmeirense Paulo Nobre, Marco Polo Del Nero, conselheiro do clube e à época membro do Comitê Executivo da entidade sediada na Suíça, além de vice da CBF, teve participação decisiva no processo de reconhecimento.

"O Palmeiras é o primeiro campeão mundial de clubes, independentemente de qualquer reconhecimento. Mas para o respeito do mundo do futebol, a chancela da Fifa é muito importante. Quem de fato pediu o reconhecimento, às vésperas da Copa no Brasil, foi o doutor Marco Polo Del Nero", disse Nobre.

Em 2014, o suíço Joseph Blatter, então presidente da Fifa, prometeu enviar um certificado para atestar o reconhecimento da Copa Rio como o primeiro torneio mundial interclubes. O Palmeiras, segundo a assessoria de imprensa, foi comunicado oficialmente por e-mail.

Em seu site, porém, a Fifa publica apenas os Mundiais com organização própria - o evento estreou em 2000 e, após interrupção de cinco anos, acabou retomado. Os ganhadores do antigo torneio intercontinental, como Santos, Flamengo e Grêmio, também não constam na página eletrônica da entidade.

Edu Meneses explica confusão no Palmeiras: 'Feitosa discutiu um lance do rachão com F. Melo, nada além disso'